terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Montagens de varas personalizadas

Montagens de varas personalizadas

Tenho visto muitos debates sobre varas. O aprimoramento do equipamento de pesca deve ser em função do aprimoramento do pescador. Antes de comprarmos um novo equipamento, devemos ter em mente para o que ele será utilizado.

Existem varas que podem ser usadas como vieram de fábrica, outras deverão ter adaptações como alteração de posição de real-seat, corte da ponta, remontagem ou troca de passadores, enxerto de pontas agulhas. Cada uma destas varas terá características únicas e próprias se adequando ao gosto do pescador.

Se a cada dia estamos mais exigentes, por que não aprender a personalizar nosso equipamento? Desta forma poderemos montar nossas varas da maneira que desejarmos, muitas vezes com custo abaixo de varas top de linha.

Pensando nisto, preparei este material. Ele não é um guia de como montar varas de pesca, pois cada pescador deve estabelecer qual equipamento mais lhe agrada, mas serve para mostrar que preparar uma vara personalizada não é tão complicado assim.

A primeira coisa ao montar uma nova vara é decidir para que ela servirá? Será uma vara de grande sensibilidade? Arremesso a grandes distâncias? Uso de iscas duras ou macias? Qual o peso do chumbo que será usado? Qual a espessura da linha? Terá sujeiras na linha? Qual o comprimento? Peso? Molinete ou carretilha? Carretilha de perfil redondo ou baixo? Estas e muitas outras perguntas devem ser respondidas antes de decidirmos montar uma vara de pesca.

Eu estava precisando montar uma nova vara para molinete a ser usada em grandes distâncias. A vara atual se mostrava com potência aquém do esperado, sendo que tivemos várias competições este ano em que os arremessos além dos 150m foram determinantes nos resultados. Não necessitaria grande sensibilidade, mas deveria ter o menor peso possível, com potência para arremessar chumbadas de até 150g.

A escolha de um bom blank é importante. Escolhi um blank da Sumax de 3 parte e 4,10m de comprimento. Optei por um de 3 partes pela facilidade de transporte. Embora acredite que blanks de 2 partes para varas longas tenham ação melhor.




Decidido o blank, é importante medir o diâmetro da ponta, para podermos escolher a ponteira a ser utilizada.





Neste caso usarei uma ponteira 16X5mm, a ponta tem espessura de 5 mm ou seja, ao tentar encaixar ela não entrava adequadamente, então com uma lixa, fui cuidadosamente desgastando ao redor até que ela se encaixou.

A escolha do diâmetro de 16mm não é aleatória, temos várias provas em que a quantidade de sujeira na linha atrapalha. O uso de passadores maiores facilita a limpeza da linha de pesca e evita travar a linha nos passadores pequenos.

Decidida a ponteira, instalo o real-seat. Esta distância é importante para o conforto do pescador, favorecendo uma boa pegada, aumentando a distância de arremesso e diminuindo o risco de lesões musculares.





Decidida a ponteira, e a posição do real-seat, vou decidir o número e o tamanho dos passadores. Existem 2 teorias sobre a montagem de passadores. O sistema Helicoidal e o sistema new concept que já foram discutidos. Infelizmente passadores new concept são muito difíceis de serem adquiridos, e como sou impaciente, resolvi montar este sistema teste, até que cheguem os encomendados por mim.





A idéia é montar um sistema com passadores SIC o primeiro é um passador dobrável, tamanho 40 com altura maior que os SVSG da Fuji. A partir daí resolvi usar passadores NSG 30, 20, 16,16,16 e ponteira 16. Teoricamente passadores NSG são indicados para carretilhas, neste caso é uma experiência, mas seguindo a teoria New Concept irá funcionar.





A diferença entre os passadores convencionais para molinete e os que serão usados por mim é no formato do passador e não no diâmetro dos mesmos.

Neste momento iremos pegar o blank, e descobrir a espinha da vara.

Durante a construção das varas ocas de fibra de carbono, é comum uma parte ser mais fina que a outra.

Pegamos o blank, flexionamos e rodamos apoiado no chão, iremos sentir uma área com maior resistência. Esta área de maior resistência é a espinha da vara. Eu prefiro montar os passadores sobre o lado mais grosso (sobre a espinha da vara), embora concorde que isto não é uma regra.





Definida a espinha, definido a posição do Real-seat, o tamanho dos passadores, iremos colocar os passadores.





Acredito que para quem está começando a maior dúvida esteja nesta parte. Por que usar este passador e não aquele? BSVLOG, NSG, o que é isso? Passador alto, baixo? Pé duplo ou simples? E ainda temos que resolver onde colocá-los?





Eu gosto muito das varas da ZZiplex, e embora saiba que o blank que vá utilizar é muito inferior ao dela, posso tentar imitar o posicionamento dos passadores. Este posicionamento por régua é somente uma base, pois o posicionamento final será definido pelos testes de flexão da vara.

http://zziplex.surfcaster.de/Iz_Seiten02/zziplex_fishing_blanks_primohst.html





A posição dos passadores vai variar também com o comprimento da vara. Flexibilidade, tamanho dos passadores, altura deles, molinete ou carretilha. Algumas regrinhas básicas são:

Carretilha, mais passadores, molinete menos.

Maior sensibilidade, mais passadores de diâmetro menor, maior distância menos passadores de diâmetro maior.

Passadores de pé duplo endurecem o blank (fazem ele menos flexível, mas não o fazem mais resistente) Passadores de pé simples endurecem menos o blank.

Em varas longas a distância do primeiro passador ao molinete deve ser de no mínimo 1,20m. Eu pessoalmente gosto aproximadamente 1,50m.

Colocados os passadores e o real-seat , tudo alinhado. Monto o molinete na vara.

Uma coisa importante é que até agora os passadores estão presos somente por uma fita isolante, sendo facilmente trocados de lugar.

Primeiro coloquei 1,25 kg de chumbo.





Não fez nem cócegas, hehehe. Então aumentei para 2,4 kg.





Aqui já posso dar uma analisada melhor.

Uma das coisas fundamentais é o ângulo formado na linha, pela passagem nos passadores. Se este ângulo estiver muito fechado, vc deve diminuir o espaço entre os passadores ou até mesmo colocar mais 1 passador na vara.








Como a vara aguenta muito mais peso, resolvi colocar mais chumbo ainda, peguei 3,04 kg.





Não recomendo colocar tanto chumbo numa vara, antes de ser totalmente montada. Isto pode quebrar varas mais frágeis, na verdade esta vara tem uma potência muito grande e por isso coloquei 20x o peso de chumbo que pretendo arremessar.

Normalmente coloco entre 10x e 15x o peso do chumbo.

Aqui achei um pequeno problema.





Este ângulo está um pouco fechado, portanto vou posicionar o passador mais para ponta e melhorar a distribuição.





Após reposicionar o passador, inspecionameos novamente a vara.





Então giramos a vara 180 graus para vermos a flexão na posição de arremesso.





A linha nunca deve raspar no blank curvado, observem no canto esquerdo a linha tocando o blank.





Neste caso bastou posicionar o passador mais alto que o problema foi resolvido.

Para mim esta é a posição ideal da linha com o blank curvado.





Verificamos novemente cada um dos passadores. E se estiver tudo em ordem, esta é a posição final deles.

Agora falta enrolarmos e resinarmos cada um na posição.


Autor: Auro Nakatani

2 comentários:

Marcus Marcelo Brito de Oliveira disse...

Amigo, bastante útil esse seu post. Estou em Cuiabá, Mato Grosso e pergunto pra você onde posso adquirir os equipamentos necessários para montar uma vara. Todos os ítens, desde a vara, passadores, ponteira, cabos e tudo mais. Obrigado.

luizao rampazo disse...

bom dia meu amigo, moro na bahia e pratico pesca de praia, meus passadores estao deteriorando todos, velhos e cansados e corroidos , onde posso comprar esses que vc usou ? desde ja agradeço pela dica. boa pesca !!